terça-feira, setembro 20

A democracia a duas velocidades é perigosa


A autorização da manifestação convocada pelas mulheres dos militares é um facto normal em democracia. Impedir os militares de poderem participar constitui um atentado aos mais elementares direitos de cidadania.
O governo socialista refugia-se na coesão e na disciplina das Forças Armadas para evitar uma manifestação de protesto normal. É o argumento dos politicamente fracos, de quem usa a fachada da autoridade do Estado para tentar esconder os problemas.
No próximo dia 21, não são só as mulheres dos militares e os reservistas que estão convocados. São todos os portugueses que acreditam que os valores da liberdade são mais importantes do que qualquer política governamental.

2 comentários:

Teófilo M. disse...

Ou seja, pode impedir-se os militares de se manifestarem sobre determinado assunto, se a manifestação for convocada por eles, mas não se pode impedir os militares de se manifestarem sobre o mesmo assunto, se a manifestação não for convocada por eles.

Como teoria é interessante, não haja dúvida!

Ministério Público disse...

nao acredito nisso. A tropa não é uma democracia. Já cá faltava isso

http://idadedoferro.blogspot.com